SnowAdventures - Ski e Snowboard

Reserva de Hotéis Estados Unids, Eurospa, América do Sul

  Home  |  Estações  |  Artigos  |  Vídeos  |  Fórum  |  Blog  |  Links  |  Contato  

 

segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

3° Dia: Snowbasin

No terceiro dia o grupo cresceu com a chegada do Bruno W com a esposa Laura e as filhas Duda e Carol. Fomos pra Snowbasin, estação que fica no caminho para Powder Mountain a uns 50 minutos do hotel. A estrada é muito boa e não pegamos nenhum trânsito. Chegando lá, estacionamento super fácil e a constatação foi imediata: é uma estação 5 estrelas. O bar/restaurante/lounge na base é novo em folha e lembra a sofisticação de Beaver Creek. Tem uns sofás de couro pras pessoas descansarem em frente à lareira e os banheiros parecem do Waldorf Astoria. E o lift custa 66 dolares, mais barato que Solitude.



O lift principal é a gôndola Needles Express, mais um conforto. Quando chegamos tinha uma fila razoável, mas que anda rápido. Pelo tempo da subida nos 2300 pés deu pra perceber que as descidas seriam longas. Pistas largas e vazias foram constantes o dia inteiro. A montanha é grande mas dá pra encontrar as pessoas, pois quase todos os lifts voltam para a base. O restaurante com mesas do lado de fora foi o ponto de encontro da galera.

A neve nas pistas estava boa e, mesmo não tendo nevado nos 2 últimos dias, em diversos lugares perto das árvores ainda tinha neve fofa. Tem um outro lift bem longo na parte direita da montanha chamado John Paul Express que também leva para áreas com bastante neve, mas é uma parte mais avançada.



Pra mim, a parte da montanha que estava com a melhor neve era na descida do lift Porcupine. Por ser um lift aberto e não tão rápido, acaba sendo usado por poucas pessoas mas o terreno é muito bom. Fiz umas descidas muito boas ali com o Henrique, Igor e Fabiano. Essas descidas entre as árvores foi onde terminamos o dia.



A conclusão é que Snowbasin é uma montanha de primeira, visual incrível e a melhor estrutura que encontramos até agora. Um terreno muito bom, snowpark razoável e muito conforto. Recomendo!

À noite boa parte da galera foi assistir o jogo de basquete do Utah Jazz com o Boston Celtics. Vitória do Boston, para alegria do Márcio e tristeza de boa parte dos outros.



sábado, 26 de fevereiro de 2011

1° Dia: Chegada e noturno em Brighton

Depois do vôo de 14 horas como de custume, chegamos a Salt Lake City! Do avião vimos a cidade toda coberta de neve, coisa rara nas cidades grandes. A cidade é toda cercada de montanhas que você vê de todos os lugares, e nesse ponto lembra um pouco Santiago do Chile. A sede de neve estava grande então, enquanto alguns foram fazer as compras de última hora, eu, Igor, Caetano, Márcio e Alex fomos fazer um esqui noturno em Brighton. Tinhamos até ficado de encontrar com o pessoal que chegou un dia antes, mas na hora nos desencontramos.



Chegamos na montanha às 4 da tarde, justamente na hora que começa o esqui noturno. Na verdade, de noturno tem só o nome. Engraçado que ao contrário da maioria das estações, em Brighton escurece bem tarde. Mesmo eles tendo ligado os refletores cedo, até as 6:30 ainda estava claro.

A neve estava muito boa, ainda mais levando em conta a hora que chegamos na montanha. Também, cairam 50 cm de neve nas últimas 24 horas! Mesmo assim, d[a pra perceber que a neve dura bastante por aqui. Ainda tivemos tempo de fazer algumas passadas pelo snowpark, que é bem bacana.





Só pra fazer uma comparação, a área que fica aberta à noite é menor do que em Keystone, por exemplo. Mas pra gente foi mais do que suficiente, depois de um dia viajando de avião. Pouco antes das 8 horas demos a tarefa por encerrada, satisfeitos.

Chegando no hotel encontramos a turma das compras e os que chegaram antes e pensamos em sair pra jantar, mas a essa altura todos queriam mais era dormir pra recuperar as energias. Afinal, amanhã a snowtrip começa com força total!



quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Snowtrip Utah: amanhã é o dia!

Mais uma snowtrip do SnowAdventures de aproxima. Amanhã embarcaremos para Utah, para ver ao vivo e andar na famosa "champagne powder" dos Estados Unidos. Juntando antigos companheiros de viagem com os mais recentes e os que conheceremos agora, serão 36 pessoas no total. Nem vou citar os nomes agora pra não correr o risco de esquecer alguém.

A primeira parada será em Salt Lake City, onde ficaremos 4 dias visitando as estações próximas. Em seguida vamos para Park City onde ficaremos uma semana, para depois passar mais alguns dias novamente em Salt Lake. Em Salt Lake precisaremos ir de carro pras estações, e em Park City ficaremos em frente ao lift. Dessa maneira, vamos juntar a chance de visitar diversas estações com a praticidade de ficar hospedados ski-in/ski-out.

Pelo mapa abaixo das estações da região dá pra ter uma idéia do que nos espera. Melhor ainda, a previsão é de neve para os próximos dias. Quer dizer, não vai faltar história pra contar aqui.



Já estamos pensando em esquiar no dia da chegada, pois a estação de Brighton fica aberta à noite. O plano para os próximos dias, a princípio, é o seguinte:

- Sábado: Brighton, se der tempo
- Domingo: Powder Mountain
- Segunda: Snowbird
- Terça: Snowbasin

Quarta ainda está em aberto e a partir de quinta estaremos em Park City/The Canyons.

Então é isso, acompanhem aqui o desenrolar dessa história!



sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

The Art of Flight - snowboarding film w ith Travis Rice

Trailer do novo filme do Travis Rice, promete muito!



quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Equipamentos de Ski e Snowboard 2012

No final de Janeiro aconteceu em Denver o SIA Snow Show, feira realizada pela Snowsports Industry America. Além de palestras e seminários, a feira contou com 540 exibidores, incluindo é claro as marcas mais famosas.

Depois da feira aconteceram 3 dias de demos dos equipamentos em Winter Park, CO. Estive nessa parte do evento do ano passado, muito legal.

Mais informações no site: http://siasnowshow.snowsports.org/

Seguem algumas fotos tiradas pela TruSnow.com , uma das lojas online preferidas dos brasileiros.









sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Davos por Claudio Rauen

Vídeo enviado pelo Claudio Rauen dos seus primeiros dias em Davos nessa temporada.

Snowmotion - Davos 2011 - Parsenn wepisode #1 from Marco Lomiler on Vimeo.



terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Snowmass - Telluride 2011

COLORADO, 16 a 29 de Janeiro de 2011

SNOWMASS - TELLURIDE

A trip de 2011 foi, em resumo, a seguinte: passamos 7 dias em Snowmass, um dos quais andamos em Hihglands e outro em Butter, e, mudando de base, mais 3 dias em Telluride, a suldoeste de Aspen, umas 4 ou 5 horas de viagem, e, para evitar problemas no retorno, o último dia em Breck, onde encontramos Cassilatti, Perroni e Demétrio. Já que por Eagle estava muito caro, voamos por Denver, onde alugamos o carro. Eu e Johnny fizemos todo o circuito. Em Snowmass tivemos a companhia do Robson e do Carlão, com as famílias, e do Pedro “Lake Tahoe”, além de alguns amigos do Johnny que estavam lá por todo o mês, Carlinhos e Albano (os High Society board boys) e outros. No quarto dia chegaram Bruno, Bernardo, Paulo e Leo Camicase, que andaram dois ou três dias em SN e seguiram conosco para Telluride, a nova fronteira do ski do velho-oeste.

Convém lembrar que, tirando o Paulo, essa foi uma viagem de snowboarders mostly freeriders/all mountain, que fazem promessa para qualquer santo, mesmo os ateus, para nevar 8 inchs, mas que curtem saltos pequenos e médios e se aventuram modestamente no pipe. É nessa linha que seguem os pontos de vista deste relato. Mas não temos qualquer preconceito contra esquiadores e os freestyles em geral. Ao contrário, ir a Breck e assistir esquiadores detonando no park é simplesmente um programa imperdível.

Mas é curioso como as viagens de esqui nem sempre são justas com o resorts visitados. Quando chegamos em Snowmass, o lugar onde mais nevava era Breck, mas quando lá estivemos, no último dia, já era o quarto ou quinto dia de sol. Embora tenhamos tido boas condições em Snowmass, nevava um pouco dia sim, dia não, foi na pequena Buttermilk que tivemos o melhor dia, com neve generosa e boa visibilidade. Em nossa estadia em Telluride, lamentamos muito que havia quase duas semanas que não nevava, o que é muito incomum para a região.

Para olhos menos treinados, isso poderia significar uma conclusão errônea sobre a estação: achar que Butter é a melhor das estações ou que Telluride e Breck são as piores, ambas, é claro, conclusões errôneas. Aliais, de minhas parcas andanças, estou certo de que não só não existe um resort perfeito, como também nem quase sempre é muito difícil dizer qual é a melhor entre duas estações tidas como de ponta, mesmo porque cada um tem suas próprias expectativas e preferências. Eu, particularmente, gosto de uma montanha com boas pistas para carving, algumas pistas pretas inclinadas e grumadas para testar o edge, um bom fora-de-pista, de preferência sem árvores ou com um bosques pouco densos e seguros, um parque com saltos pequenos/médios e um bom pipe. Tudo isso, é claro, com pouca fila!

GPS

Essa foi a primeira experiência nossa com gps na montanha. Tecnicamente, não usamos gps propriamente dito, mas sim PND (personal navigator device), esses que são utilizados nos carros.

Era só ligar o aparelho no início do dia e descarregar no programa no final e exportar os trackings para o google earth. Voilá, toda a trilha percorrida na montanha. Ademais, indica distância percorrida (incluindo os liftings, é claro), velocidade e altitude em cada ponto. Muito legal.

Usamos o Garmin nuvi 205, o mais simples dessa marca, e descarregávamos no Mapsource, o programa da Garmin para gerenciar o GPS. Requisito é ter o mapa dos EUA instalado.

SNOWMASS

Além de ser uma montanha grande, Snowmass pertence ao complexo constituído por outras três: Aspen (Ajax), Buttermilk e Highlands. Juntos, estes resorts compõe uma enorme área esquiável enorme, acessível com o mesmo bilhete.
Como chegar

A melhor maneira de chegar a região de Aspen-Snowmass é pelo aeroporto regional de Eagle-Vail, onde, embora não seja necessário para esquiar nas outras montanhas, convém alugar um carro, já que você acabará gastando o mesmo que no transfer e terá muito mais conforto para sair à noite, ainda que seja para simplesmente ir ao mercado.

Hospedagem

Nós ficamos hospedados no Laurelwood Condos. Ski in, ski out, muito bom. Só poderia ser um pouco mais perto do Village, embora não seja de forma alguma distante. Pegamos um estúdio (em L), sendo o ambiente do quarto (com uma cama de casal e armário) separado do da sala (com um sofá cama, poltronas, lareira e sacada), podendo, inclusive, ser isolado com uma porta camarão. Integrada com a sala, uma cozinha padrão, pequena mas funcional, suficiente para esquentar a lasanha. Interessante é que, além de wi fi, o telefone é liberado geral, para qualquer lugar do mundo. Tem também dois hot tubes ao ar livre. Só não havia dito que era gay week em Aspen... rsrsrs!!! Em Aspen, não em SM.

Snowmass Village

A vila de Snowmass não é uma cidade de verdade, como Breck, Aspen ou Telluride, mas sim uma típica vila de esqui, com dezenas de hotéis e condos construídos ao redor das pistas, na base das quais encontra-se um centro comercial com as lojas e alguns bares e restaurantes. Para quem quer fazer uma noitada, não me parece ser o local mais recomendado. Também não oferece muitas atividades extras para quem não esquia, embora exista um bom sistema de ônibus gratuitos que levam a Aspen, a Buttermilk e a Highlands.

Compras de eletrônicos e outras muambas, só em Gleenwood, a uma hora e meia de carro, onde pode-se ficar hospedado no último dia, para facilitar o retorno. Lá tem Walmart e Target. Recomendo fazer compras no site do Walmart USA, optando pela entrega site-to-store, até mesmo para não se perder tempo olhando prateleiras.
Dica: um dia, na hora do almoço, fomos comer no Big Hoss. Excelente chicken fries com curly potatoes a um preço bem em conta (U$ 8,00). Seria perfeito se não demorasse uma hora para ficar pronto!!

A montanha

Snowmass é uma montanha “massa”, perfeita para intermediários. É grande e tem muitas pistas azuis longas, rápidas e divertidas, com grooming impecável, um parques pequeno e médio, com sequências de três jumps bem cuidados, além de um parque grande, com big jumps e rails, um pipe animal e um pequeno, tudo praticamente sem filas. Embora tenha a região do Cirque, que deve ficar interessante com muita neve, falta um bom fora-de-pista que não seja um monte de bumps para condições regulares de neve, como o bowl à direita da Imperial Chair, em Breck. Também não vemos pretas grumadas, como em Telluride. Mas o bom é que você pode ir a Highlands para variar, onde as pistas são mais inclinadas e, com boas condições de neve, você pode arriscar a sorte no Loge Peak ou no Highlands bowl (que exige uma caminhada de 45 minutos que não fizemos por preguiça).

Enfim, Snowmass é um excelente destino de esqui para quem realmente quer se divertir esquiando. Além de ficar muito próximo de Aspen. Mas se o foco é badalar, fuja daqui.

TELLURIDE

Até há pouco tempo, ninguém ouvia falar em Telluride, mas nos dois últimos anos esse simpático resort, que possui o mesmo nome da cidade, chamou a atenção dos americanos. Fomos então conferir o que está rolando nessa charmosa e preservada cidade mineira do velho-oeste, onde Butt Cassidy roubou seu primeiro banco no final dos 1800, e que chegou a ser considerada fantasma nos anos 60, com o declínio da mineração, mas que ressuscitou com o turismo e com o esqui.

Como chegar

Se você vai a Telluride, não voe Denver. De lá, são 7 horas de viagem. O aeroporto mais próximo é Mont Rose, uma cidade pequena, mas com bom comércio (Target, Walmart, Sports Authority, etc), a pouco mais de uma hora de viagem. Lá na montanha você não vai precisar de carro. Pegue o transfer e economize o dinheiro do estacionamento (U$ 18,00 por dia, no The Peaks). Se quiser fazer compras, fique um dia em Mont Rose, com carro.

Telluride Village

Embora seja possível chegar à cidade esquiando, a base da montanha de onde partem os liftings fica Telluride Village, uns 500 metros acima da cidade, aonde se pode chegar de carro ou de gôndola, que pertence ao sistema de transporte público municipal e funciona até às 24:00. No Village, que é muito bonito, com duas grandes praças, há opções de lojas de roupas e lembrançinhas, aluguel de equipamentos, restaurantes, etc.

A propósito, na saída da gôndola, na base do Village, tem um restaurante muito bom, o All Red, onde jantamos no primeiro dia e de onde se vê a cidade iluminada. Não é barato, mas vale conferir, inclusive no after-ski.

Hospedagem

Há muitas opções de hospedagem, tanto na cidade, quanto no Village. Nós ficamos no The Peaks, o primeiro hotel a ser levantado na montanha. Por causa de um acordo com os donos do resort que, inspirados em Beaver Creek, queriam que fosse construído um hotel luxuoso com muitos serviços de lazer, o terreno foi vendido por um dólar e os compradores se comprometeram a construir um grande Spa e vários restaurantes no hotel. Resultado: a área de lazer é excelente, com alas exclusivas para homens e mulheres com hidromassagem térmica gigante e saunas seca e a vapor, e área comum a todos, com duas hot tubes cobertas e uma descoberta, piscina coberta para natação, piscina para lazer (parte coberta, parte ao ar livre), uma super bem equipada sala de musculação, spining, sala de ginástica, além de serviços de massagem e beleza. Além disso, o hotel conta com quatro restaurantes e áreas para after ski e eventos diversos (muita gente se casa lá). O ruim é que não tem aquela cozinha básica no quarto e não dá para fazer economia na comida, mas o hotel é show. Não perca de vista que o Village fica a 2800 metros de altitude

A montanha

A área esquiável é muito interessante. Lembra um pouco Highlands, por conta da inclinação das pistas, mas é grande como Snowmass. Tem um parque pequeno e um médio lado-a-lado que, embora não tão bem cuidados e mesmo não tendo um pipe (????), satisfizeram nossas necessidades freestyle. Há um fora-de-pista que exige uma caminhada de 30 minutos, o Bald Peak, que não vale o sacrifício da subida, porque é curto demais. Mas o Prospect Bowl e o Revelation Bowl são grandiosos. Pena que não pegamos uma boa condição de neve para poder explorar esses picos, se é que teríamos coragem para tanto.

Na região da chair 4 e da 5 encontram-se a maiorias das pistas azuis, mas cuidado que aqui existem as double-blue que podem ter muitos bumps. Na região da chair 9, temos pistas pretas grumadas. The Plunge é sensacional. Na chair 10, para os iniciantes, encontram-se as verdes, que não conhecemos, é claro.
Filas? não vimos.

De ruim, destacaria que, para cruzarmos a montanha, necessariamente pegamos algum flat, especialmente na saída do Revelation Bowl, mas nada de muito grave, é só ficar ligado e dar um gás antes do chapadão.

Em resumo. É um excelente lugar para se estar com boas condições de neve. Com pouca neve, ficaria com Snowmass.

BRECKENRIDGE

Só passamos um dia em Breck, com muito sol, pouca neve e muitos amigos. Foi divertido. Nos hospedamos no ... condo. Reservamos no dia anterior. Simples, barato e honesto. De ruim, tem que pegar um ônibus para chegar na montanha. Na volta, dá para chegar esquiando, se souber o caminho.... rsrsrs. Quase acertamos.
Aproveitei para ir no Peak ___ duas vezes, para fazer o bowl que acaba no peak 7, uma pela Imperial Chair e outra pelo famigerado T-Bar. As condições estavam razoáveis. Ademais, demos umas voltas pelos picos 7, 8 e 9. Perroni disse que o peak 10 estava muito ice.



Veja também

  • Ushuaia 2008
  • Chapelco 2008 (1)
  • Chapelco 2008 (2)
  • Caviahue 2008
  • Snowmass/Breck 2008
  • Val Thorens 2008
  • Aspen/Snowmass 2007
  • Breckenridge 2007
  • Las Leñas 2007
  • Caviahue 2007
  • Chapelco 2007
  • Janeiro 2007
  • Fevereiro 2007
  • Março 2007
  • Junho 2007
  • Julho 2007
  • Agosto 2007
  • Setembro 2007
  • Dezembro 2007
  • Março 2008
  • Abril 2008
  • Junho 2008
  • Julho 2008
  • Agosto 2008
  • Setembro 2008
  • Outubro 2008
  • Novembro 2008
  • Dezembro 2008
  • Janeiro 2009
  • Fevereiro 2009
  • Março 2009
  • Abril 2009
  • Maio 2009
  • Junho 2009
  • Julho 2009
  • Agosto 2009
  • Setembro 2009
  • Outubro 2009
  • Janeiro 2010
  • Fevereiro 2010
  • Março 2010
  • Abril 2010
  • Julho 2010
  • Agosto 2010
  • Setembro 2010
  • Outubro 2010
  • Novembro 2010
  • Dezembro 2010
  • Janeiro 2011
  • Fevereiro 2011
  • Março 2011
  • Abril 2011
  • Maio 2011
  • Julho 2011
  • Agosto 2011
  • Setembro 2011
  • Novembro 2011
  • Dezembro 2011
  • Janeiro 2012
  • Fevereiro 2012
  • Julho 2013
  • Agosto 2013
  • AddThis Social Bookmark Button

    Na rede

  • Blog do Esqui
  • Eu Amo Neve!
  • Misplaced Boarder
  • Breck 2009
  • Perros Lokos
  • Copyright 2006-2008 - SnowAdventures